terça-feira, 24 de novembro de 2009

NOVA ORTOGRAFIA: paraquedas, para-brisa, para-choque

Pela nova ortografia, a palavra paraquedas passa a ser escrita sem hífen. Já as palavras para-brisa, para-choque e para-lama mantêm o hífen. Ambas as formas perdem o acento diferencial no primeiro "a" de para. Isso acontece, porquê: - segundo a Base XV do Novo Acordo Ortográfico, "certos compostos, em relação aos quais se perdeu, em certa medida, a noção de composição, grafam-se aglutinadamente: girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas, paraquedista, etc."; - mas, em compostos, locuções e encadeamentos vocabulares, nos quais permanece a noção de composição, emprega-se o hífen, como em: sócio-gerente, conta-gotas, arco-íris,guarda-chuva, para-brisa, para-choque e para-lama; - foi eliminado o acento gráfico "quando usado como diferencial em para, flexão do verbo parar, como em para-brisa, para-choque. Fonte: Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, Base XV.

6 comentários:

Ops!! disse...

Continuo com dúvidas sobre a correta grafia para-quedas ou paraquedas; manda-chuva ou mandachuva.
No quadro de base XV diz que antes do acordo se grafava "pára-quedas" (perdeu o acento) e "manda-chuva", era com hífen. Diz que depois do Acordo "a) Em compostos, locuções e encadeamentos vocabulares EMPREGA-SE O HÍFEN(grifei) E COMENTA: mantido.
Mais embaixo da coluna "após o Acordo" obs: são escritas aglutinadamente palavras em que o falante contep. perdeu a noção de composição: PARAQUEDAS MANDACHUVA (grifei) e comenta: alterado.
Foi mantido ou foi alterado??
Edvaldo Martins, Taboão da Serra/SP
e-mail: e-valto@hotmail.com

Eduardo Roque Filho disse...

Veja bem Edvaldo... me parece que esses "mandachuvas" perderam a noção do bom-senso. Tem muito cacique nessa tenda. Entendi que a perda do hífen em paraquedas foi devido o termo -quedista não existe e como define-se uma palavra composta por dois termos com definição própria formando um outro termo com outra definição e como quedista e quedismo não é vernacular entendo que esses termos percam o hífen e paraquedas foi a reboque. Agora manter o hífen em vaga-lume e retirar de mandachuva é sem dúvidas algo no mínimo ignóbil. Dixi!!! edrofil@ig.com.br

Anônimo disse...

Em algumas situações, o uso do hífen parece estar mais relacionado ao contexto do que ao vocábulo. Ex:
Não se usa o hífen em compostos que apresentam elementos de ligação, como olho de boi (o selo). Mas usa-se o hífen em vocábulos de espécies zoológicas e botânicas, como olho-de-boi (o peixe). É confuso, há exceções e as regras se contrapõem. =/

Eduardo Roque Filho disse...

Por tradição no caso de olho-de-boi (peixe) todas as compostas com elemento de ligação ou não que alude à fauna são hifenizados... aceita que dói menos.Dixi!!! edrofil@ig.com.br

Thalles Neves disse...

Ainda possuo uma duvida em relação a para-brisa, parabrisa ou para brisa.

Alunos da Vinteequatro disse...

Para quem quer aprender português o negócio é lidar com a própria paciência em decorar cada detalhe, cada regra, além das exceções. É decorando mesmo o caminho. Exemplo: dia-a-dia ou dia a dia? Bem, se for no sentido semântico substantivado, será dia-a-dia, sem dúvida, porém se for no sentido de advérbio temporal, será dia a dia, tudo separado.