terça-feira, 19 de janeiro de 2010

DÚVIDAS FREQUENTES: gratuito ou gratuíto?

A palavra “gratuito”. 


Se a sua dúvida é: a palavra “gratuito” tem acento? Não fique com ela nem coloque o acento na palavra.

É comum ouvirmos as pessoas pronunciarem o “i” da palavra “gratuito” com maior intensidade (tônico, forte). Exemplo: Fazendo a matrícula, o material didático é gratuíto.

Entretanto, se fosse assim, levando em consideração as regras de acentuação gráfica do Português do Brasil, o “i” dessa palavra obrigatoriamente receberia um acento agudo (gratuíto). Mas esta não é a forma que os dicionários a registram. Em todos os dicionários da Língua Portuguesa no Brasil, a palavra "gratuito" é registrada sem acento.

Então por que a maioria das pessoas pronuncia o "i" com maior entonação?
A confusão acontece pela falta de conhecimento das regras de acentuação gráfica.
Embora, na Língua Portuguesa, quase todas as palavras tenham acento tônico (intensidade sonora com que se pronuncia certa palavra), somente algumas têm acento gráfico (sinal utilizado para indicar a sílaba tônica).
Para evitar confusões na pronúncia, existem as regras de acentuação gráfica. E não há exceções para elas. Dentro dessas regras, o fato de a palavra “gratuito” não ser acentuada graficamente é uma indicação de que a sílaba tônica é -tui.

Podemos descobrir isso por eliminação:

- se a sílaba tônica fosse a primeira –gra, teria necessariamente acento gráfico (grá-tui-to), porque seria classificada como uma proparoxítona (antepenúltima sílaba tônica), e todas as proparoxítonas são acentuadas graficamente, como “rá-pi-do” e “es-te-re-ó-ti-po”, por exemplo;

- se o “i” fosse tônico, também teria que ser acentuado graficamente (gra-tu-í-to), porque constituiria um “hiato” (encontro entre duas vogais, pronunciadas em sílabas diferentes, uma imediatamente seguinte à outra); e assim entraria na regra de acentuação dos hiatos: “acentue o i e o u tônicos, quando forem a segunda vogal do hiato: saída, saúde.” (NOSSA GRAMÁTICA COMPLETA SACCONI: teoria e prática, 29ª edição, p. 63);

- só nos resta colocar a tonicidade na penúltima sílaba (-tui). E neste caso, a palavra é classificada como paroxítona terminada em “o”, portanto, não deve ser acentuada, como em “ba-ba-do”, “tra-ba-lho” e “in-tui-to”.

Segundo SACCONI, “ Quem diz “récorde” (em vez de recorde) ou “gratuíto” e “circuíto” (em vez de gratuito, circuito), comete silabada, que é o nome que se dá ao erro prosódico.” (2008, p. 61)

25 comentários:

Betesda Aldeota disse...

Estas informações já estão atualizadas de acordo com as novas regras?

carlos disse...

Não adiantou nada a informação, pois a dúvida é na pronúncia e não na forma de escrever.
Aliás, na minha opinião, por não ter acento as duas vogais devem ser pronunciadas.

Se não pode ser GRATÚITO, como quer a ilustre professora e não pode ser GRATUÍTO, como falamos a maioria, então as 2 formas estão corretas.

Anônimo disse...

carlos, vc não entendeu nada do que ela falou... hahahahaha

ela deixou tudo muito claro, dá uma estudada em regra de acentuação meu velho, o negócio está brabo pra vc kkkkkkkkkkkk

Jackson disse...

Carlos não sabe ler. Esse é o problema de muitos brasileiros.
Pela explicação perfeita dada acima, fica muito claro que a pronúncia é gra.tui.to e não gra.tu.í.to. Essa geração que tem preguiça de ler é um problema!!!

JOSCO disse...

O comentário publicado pelo Jackson, em relação ao Carlos, é bem interessante. E eu acredito que deve ser adicionado ao mesmo o seguinte: Eu sou do tempo em que havia leitura de textos, contos ou histórias na Salas de Aula ou até mesmo na Biblioteca, em horários previamente programados. Infelizmente, não me lembro mais de como chamavam estas "sessões" de leituras. Seria "audição"? De toda forma, deixo registrada a sugestão.

Anônimo disse...

Jackson falou e disse tudo. O grande erro dessa geração é não saber "interpretar" um texto. Sem interpretação não se consegue ter entendimento e tudo vira apenas palavras numa sequencia.

Dorival Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dorival Santos disse...

Meus caros, alegro-me ao vislumbrar tamanha “heteróclitice” quanto a uma simples leitura de um texto tão cristalino, ademais, na atual conjuntura (globalização, inclusão digital ......) existem pessoas que conseguem se expor e fazem questão em propalar que não estão reparados para a “famigerada concorrência”. Quem pena!!!!!

Anônimo disse...

não consegui entender o comentário do Dorival Santos haiuhaiuhaiua

Anônimo disse...

nem eu! haha

Anônimo disse...

So não entendi o "Quem" pena...

Arnaldo Vale disse...

Senhores:
-gratuito se pronuncia como fortuito e cicuito. O ui forma ditongo sem acento.

Anônimo disse...

Cara lógico que adiantou. Foi muito bem explicado mas se vc quer insistir em falar errado o problema é só seu

Arsenio. disse...

Bastante esclarecedoras as informações prestadas. O problema maior é que na atualidade, me parece,já não ensinam a Língua Portuguesa com antes.

Anônimo disse...

Que pena! O Dorival propalou, famigerou a concorrência, reparou quem deveria estar preparado, usou "em" ao invés do "de", e, o melhor criou um verbete que não tem no Aulete... heteróclitice", quem tá penado eh o papai aqui... rs...

Gláucio disse...

Senhores, senhores: eu li um anúncio escrito de forma erreda e fiquei na dúvida. A explicação foi clarícima, agora, o debate foi bárbaro. Muito obrigado pelo entretenimento gra-tui-to...

Gláucio disse...

Perdão, olha eu aqui criando mais uma: claríssima é com "ss" que se escreve, e não com "c", foi mal...

Anônimo disse...

Só não entendi uma coisa: pela explicação, devemos nos basear na forma escrita de uma palavra para saber como pronunciá-la. Isso significa que a escrita foi inventada antes que o homem começasse a falar?

Anônimo disse...

Primeiro, parabéns pela explicação, se lida com atenção, ver-se estar esclarecedora. Segundo, interessante a questão levantada no último comentário sobre a fala estar baseada na escrita. Obviamente a fala veio primeiro, mas nos últimos séculos gramáticas e dicionários têm baseado-se na escrita para nortear a fala, um grande problema discutido no livro Preconceito Linguístico, de Marcos Bagno. Recomendo a todos inclusive os que se veem como'dominadores' da norma-padrão e que ainda não pararam para pensar sobre sua visão/posição diante da nossa incrível Língua Portuguesa [Brasileira].
Abraço a todos.

nascimento disse...

Bem, como eu não sei mesmo escrever ,acho que posso faser uma pergunta idiota,ex:Qual é o correto; Gra-túi-to com acento no ú ,ou Gra-tu-íto com acento no í ? Se não preciso por acento em nenhuma das alterrnativas ,então posso pronunciar de qualquer maneira?
Prá encerrar, não é correto separar as silabas da forma que fiz acentuando o ù ou o certo seria separar o í do tú ? hahahaha

Heliete S. Millack disse...

Nascimento, na palavra "gratuito", o "u" é tônico, mas não é acentuado graficamente, em função das regras ortográficas, como explica a postagem.Além disso, forma um ditongo com o "i" seguinte, por isso, ambos pertencem à mesma sílaba.

Anônimo disse...

Seu jumento,

se o "i" não é acentuado é extamente poque a tonicidade não está no "i". Logo, foneticamente, não será pronunciado "gratuíto".

Burro.

Ricardo disse...

Falando em gratuito, recomendo visitar um site que tem tudo relacionado a conteúdo totalmente gratuito. www.conteudogratuito.net

Anônimo disse...

O "i" não seria acentuado mesmo se fosse a vogal da sílaba.
A palavra continuaria paroxítona terminada em "o", portanto não receberia acento gráfico.

Anônimo disse...

O "i" não seria acentuado mesmo se fosse a vogal da sílaba.
A palavra continuaria paroxítona terminada em "o", portanto não receberia acento gráfico.